quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Vontade de esperançar

Sibélia Zanon


Biltis, a rainha de Sabá, levanta um enigma: “O céu todo escureceu, por toda parte aglomeram-se ameaçadoras nuvens de temporal. O aspecto torna-se cada vez mais sinistro… A escuridão do céu ameaçador parece já envolver a Terra… nada mais se vê, a não ser um tênue traço claro no horizonte…”
Ela cala por alguns instantes e pergunta se alguém poderia esclarecer o significado do quadro descrito.
Zadok, o rico comerciante de azeite, manifesta-se, dizendo conhecer o significado. “Eu imaginei a vida como um céu escuro e ameaçador. Apenas o traço claro... o traço claro no horizonte impede que a criatura afunde no medo e horror… Por isso quero denominar o quadro que descreveste para nós de ‘A esperança’.” Biltis festeja a resposta e diz haver um sábio escondido no comerciante. O trecho é do livro Sabá, o País das Mil Fragrâncias,de Roselis von Sass.
A esperança é algo que persiste no interior, independentemente das circunstâncias. Ela possibilita vislumbrar um traço claro no horizonte, também nos dias nublados. O escritor Rubem Alves sugere o seguinte contraponto: “Otimismo é quando, sendo primavera do lado de fora, nasce a primavera do lado de dentro. Esperança é quando, sendo seca absoluta do lado de fora, continuam as fontes a borbulhar dentro do coração”.
Diferentemente das expectativas, que se concentram em metas bem específicas e carregam em si a cobrança da realização, a esperança autêntica tem alicerces na confiança e o olhar abrangente para o que pode dar certo, mesmo quando um desejo específico não se realiza.
É como se a esperança se ajustasse melhor como passageira de um motorista disposto a fazer as curvas que a estrada apresenta, do que como passageira do motorista que exige dirigir em linha reta e, por isso, se frustra logo que a estrada apresenta outros desenhos. O motorista que aceita as curvas como parte da trajetória, confia no fato de que ainda é possível chegar à cidade desejada, apesar dos caminhos não serem lineares como havia imaginado.
Há quem entenda a esperança como algo a contemplar e aguardar, e há aqueles que entendem a esperança com a vitalidade dos que pretendem alcançar, por si sós, o traço claro no horizonte. Quando só há espera, a esperança perde sua potência e corre o risco de ficar na esfera da passividade, irmã da vitimização. Ao esperar aquilo que virá de fora, corre-se o risco de esquecer que cada um atrai para si algo que encontra eco em seu interior, que surgiu primeiro em forma de sintonização e busca do lado de dentro.
Por isso, há quem aposte na esperança ativa, pautada no fato de que cada um tem responsabilidade por aquilo que acontece na sua vida. “É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar; porque tem gente que tem esperança do verbo esperar. E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera. Esperançar é se levantar, esperançar é ir atrás, esperançar é construir, esperançar é não desistir! Esperançar é levar adiante, esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro modo…”, sugere o educador Paulo Freire.
É verdade que na vida há momentos de espera, em que é preciso silenciar e respeitar o tempo das coisas, compreendendo que nem sempre aquilo que idealizamos pode frutificar na hora e da forma desejadas. Isso mostra que a esperança precisa ter lastro na realidade para não ser confundida com a ilusão. E também ensina que a sensação de impotência perante certas situações faz parte da trajetória e pode contribuir para o aprendizado da humildade e da perseverança. Carregando em si ensinamentos, a espera não precisa ficar adormecida. Em estado de prontidão, ela pode estar aberta a novas oportunidades.
Sobre a esperança ativa, fala também o educador Mário Sérgio Cortella: “Para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve. Por isso, o primeiro passo para ter uma esperança ativa é saber para onde você quer ir e o que você quer fazer. Segundo: colocar-se a caminho, isto é, buscar.”
E o que buscamos? Nutrir uma esperança sempre voltada para modificações talvez não seja a melhor perspectiva. “Quem põe suas esperanças nas modificações, não sabendo o que fazer com aquilo que foi dado, a este falta a vontade sincera, bem como a capacitação; encontra-se de antemão no terreno vacilante do aventureiro!”, escreve Abdruschin. Ao contrário, o escritor sugere olhar para o presente e ver onde é possível fazê-lo florescer, valorizando aquilo que se tem nas mãos e desenvolvendo habilidades antes não imaginadas.
Assim, cuida-se de não alimentar expectativas em relação ao que está longe, ao que é novo e àquilo que não se tem. Essas expectativas muitas vezes seriam frustradas porque o que está distante não se mostra necessariamente tão bonito, quando visto de perto.

A esperança com alicerces na confiança é forte e duradoura. Quando a escuridão do céu é ameaçadora e tem aspecto sinistro, existe o conhecimento de que as curvas da vida têm sua razão de ser e que, por trás das nuvens, o sol espera uma brecha para entrar.

3 comentários:

  1. A esperança maior reside em reconhecer as leis maiores do Criador Amoroso , sabendo que sempre agirá à favor daqueles que as buscam com sinceridade. E tudo deságua no Amor Maior de nosso Salvador JESUS.

    ResponderExcluir