quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Perfume de Brasil

Daniela Schmitz Wortmeyer



Caminhava em um domingo ensolarado e quente, a atmosfera abafadiça tornava custoso prosseguir. Um vizinho sorridente me abordou, mas logo a conversa tocou a situação política do país e numerosas inquietações sobre o futuro turvaram ainda mais o ambiente. Despedi-me e prossegui, forçando-me a concluir a caminhada em consideração aos direitos dos caninos que me acompanhavam. O calor, a mente atordoada, o corpo indisposto, eu só pensava em terminar logo o passeio.
Ao atravessar uma área arborizada ladeando um prédio, chamou-me a atenção uma grande árvore repleta de flores amarelas. De repente, a constatação: “um pau-brasil!” Enchi-me de entusiasmo e me aproximei. Logo percebi o aroma intenso, um perfume inebriante que se espalhava com auxílio de uma brisa suave, tornando as pequenas flores amarelas, com um detalhe carmim ao centro, especialmente atraentes. Abelhas se fartavam naquele verdadeiro banquete aos sentidos, emoldurado por folhas verde-escuras reluzentes.



Sentei-me sob a árvore e deixei-me enlevar por aquela dádiva inesperada. O cansaço de outrora desapareceu e foi como se meus sentidos, meu espírito despertasse para a maravilhosa paisagem ao redor. Vi ao longe um jacarandá com suas flores azul-arroxeadas, flamboyants em tons vermelhos e alaranjados, jasmins-manga com imaculadas flores brancas. Foi como se todas as preocupações terrenas desaparecessem e eu fosse transportada para uma outra dimensão, de pura paz e harmonia.
Fiquei pensando no simbolismo daquela cena, sob a árvore que leva o nome do meu país. Chamada pelos indígenas de ibirapitanga, “pau vermelho”, por conta da tintura extraída de sua madeira cor-de-fogo. “Brasil”, um nome difundido pela boca de mercadores portugueses e posteriormente associado à árvore, era repetido em rituais de saudação a um gênio da floresta, em que se utilizava o extrato da planta. Como relata Roselis von Sass no livro Revelações Inéditas da História do Brasil, a pequena tribo dos tapicaris acreditava que o sangue do gênio “Mbrasil” corria pelas ibirapitangas. Mais além, a escritora esclarece que o nome Brasil significa, em um sentido mais profundo, “terra virgem, país indevassado”. 
Porém, há longos tempos esquecemos desse significado. Ao olhar as expressivas cores da bandeira nacional, muitos experimentam indiferença ou certo tom de ironia. Parece que os valores mais caros e profundos, as esperanças mais puras ligadas à terra-pátria, os vínculos de pertencimento e amor ao País, foram descartados com as desilusões pelos tantos equívocos humanos que se passaram sobre este solo. Esquecemos da beleza e do perfume do Brasil, que o sol incandescente não apenas castiga, mas alimenta novas brotações e formas de vida. 
Ao me levantar e caminhar lentamente de volta para casa, ainda enlevada pela experiência sob o pau-brasil, fiquei pensando se ainda é possível se encantar pelo Brasil, esta terra tão ricamente abençoada por uma vida pujante que insiste em florescer. 



Fotos: Charles Wortmeyer

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Estrada afora

“Alexander von Humboldt, que chegou a conhecer a estrada real dos incas, denominou-a, na sua descrição de viagem, ‘a mais útil e a mais admirável de todas as obras dos seres humanos’…”


O povo inca, evoluído espiritual e materialmente, desperta interesse ainda hoje. A grande extensão de estradas é um dos testemunhos da sua competência técnica nas construções. 
Considerando a pouca estrutura que se tinha na época, pode-se imaginar o empenho dispendido para conectar povoados distantes, hoje cidades e países. O esforço e a simplicidade são inspiradores: quanto se pode fazer com pouca estrutura, gerando um grande feito? 
O percurso denominado Qhapac Ñan, patrimônio cultural da humanidade pela Unesco, é notável pela altitude e pelo terreno adverso, ziguezagueando por milhares de quilômetros os picos nevados dos Andes, passando por florestas, vales e desertos.
Segundo a escritora, “essa extraordinária estrada, cujo percurso hoje é em parte conhecido, conduzia em linha ininterrupta através dos países hoje denominados Argentina, Chile, Bolívia, Peru, Equador e finalmente, atravessando a linha do equador, até a Colômbia”.
Roselis von Sass narra ainda que “mais de cem pontes foram edificadas pelos incas e membros de outros povos. Pontes de pedra e madeira, ou então as famosas pontes pênseis ou de cordas. As pontes de cordas, feitas de fibras de agave, foram certamente únicas em sua espécie na Terra”.
A vitalidade, a liderança e o poder do povo inca tinham como alicerce o saber interior, que se manifestava por meio de valores como confiança, pureza e alegria em trabalhar.

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Seguir adiante

Sibélia Zanon



A menina ruiva acena. No enquadramento da tela, o espectador não enxerga outras pessoas, apenas a imensidão de um campo de cultivo dourado. A menina sai em disparada pela plantação e abraça uma única árvore, que se destaca na paisagem. Sente o rosto contra a rugosidade do tronco. Com a ajuda de uma corda e um tanto de habilidade, sobe na árvore e ao olhar a paisagem lá de cima, ela diz, com cerimônia: “Sua perspectiva é maravilhosa!” A cena, que inicia a segunda temporada da série canadense “Anne with an E”, parece como uma rajada de ar fresco.
O contato com a natureza e com tudo o que é vivo é capaz de causar essa sensação, de fortalecer a nossa vitalidade. Assim também acontece quando comemos fruta direto do pé, escutamos o ritmo da cachoeira, percebemos o movimento das asas do beija-flor ou visualizamos a paisagem de cima de uma árvore ou de uma montanha.
Isso acontece porque as coisas vivas parecem ser perpassadas por uma força que tudo abrange e que também alimenta a nossa existência. Essa força, que tudo vivifica, incentiva-nos a cultivar a conexão com algo maior do que nós mesmos. E essa conexão pode ser uma importante chave de fortalecimento da vitalidade.
A vitalidade pode ser compreendida como vigor, capacidade de desenvolvimento e antítese de paralisação. Ter vitalidade é estar alerta e disponível para a vida, ser capaz de buscar força para vivenciar o que vier, seja cachoeira refrescante, seja água estagnada. Enfim, ter energia física e emocional para levantar da cama e seguir adiante, quando um novo dia amanhece.
Se a vitalidade de um corpo pode ser cuidada com ar puro, boa comida, equilíbrio entre movimento e sono… como cuidar da vitalidade anímica? Crescemos desejando que a vida seja interessante para nós. Mais tarde, descobrimos que viver dá um pouco mais de trabalho e que nós também temos de ser interessantes para a vida: descobrir um propósito, cultivar aptidões, alimentar nossos interesses, tatear os próprios limites, responsabilizar-nos pelo que nos revigora e nutre, cuidar das próprias necessidades.
Assim, a vida interior pode ser nutrida e aquilo que uma pessoa anseia, pensa e busca atingir tem consequências. A vida interior estende fios conectores e gera efeitos também materialmente. A vitalidade anímica está interligada à vitalidade do corpo. 
Por isso, um estímulo para a vitalidade perseverar é não se deixar atormentar por coisas desnecessárias, tal como nutrir pensamentos martirizantes sobre o valor ou desvalor de si próprio e de outros, ou cismar com situações passadas. Não é aconselhável fazer com os pensamentos o mesmo que fazem aqueles que têm o hábito de cutucar a casca de uma ferida, não a deixando cicatrizar. Pode ser que a vitalidade anímica seja parceira da simplicidade no ser e no pensar: viver apreciando o agora e buscando elevar a própria atuação dentro do contexto em que se encontra, positivamente.
Muitas vezes, a forma de olhar determina o padrão dos pensamentos e vice-versa. Quando são construídas, por exemplo, diferentes versões interpretativas ao redor de um fato, a escolha de posicionamento perante essa realidade gera maior ou menor vitalidade. “Diante do espinho, há aquele que só pensa em sua ferida e há o outro que percebe o quanto a rosa está próxima”, sugere Fabrício Carpinejar, poeta gaúcho. Fato é que ninguém vai passar pela vida sem os espinhos, mas a grande diferença é a narrativa que cada um constrói acerca deles.
Talvez não seja necessário subir numa árvore para se ter uma perspectiva maravilhosa. Pode ser que não tenhamos habilidade com as cordas ou destreza física. Mas para se conquistar uma perspectiva diferente, com certeza, há que se cultivar uma grande vontade, destreza na maneira de olhar e a fé de que os espinhos são um indício de que existem as rosas.


Vitalidade

Sibélia Zanon


que nos move? Experimentar momentos em que a energia parece minada faz parte da trajetória de cada um. Nas fases em que a saúde grita por atenção, por exemplo, é difícil manter o vigor íntegro. Mas num corpo saudável não significa obrigatoriamente que habita uma pessoa com vitalidade. Além dos cuidados que se pode adotar para conquistar a vitalidade do corpo, pode-se também cuidar da vitalidade interior ou anímica?

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Abundância

A abundância, a beleza e a fartura inspiram reverência e nos convidam a participar deste ciclo, semeando o que é bom.

Vídeo baseado em trecho de Na Luz da Verdade - Mensagem do Graal, de Abdruschin.


sexta-feira, 22 de junho de 2018

A dor e a delícia

Sibélia Zanon


Certo dia, ele foi ao supermercado para trocar um produto e estava com pressa. O funcionário disse que não poderia trocar a mercadoria. O gerente confirmou. Ele reclamou seus direitos de consumidor e ameaçou fazer uma reclamação na central. Demorou, mas conseguiu fazer a troca. Estava tudo certo. Mas ele saiu de lá incomodado. Não com o gerente, mas consigo mesmo. Percebeu que havia abusado no tom. Na semana seguinte, foi ao mesmo supermercado. Procurou o gerente. Pediu desculpas. A moça do caixa ficou boquiaberta. O gerente o abraçou. 
Colocar-se no lugar do outro é a porta de entrada para a empatia e o remédio certo para equilibrar percepções e ações.
O escritor israelense Amós Oz escreve: “Eu me pergunto: ‘E se eu fosse ele? E se eu fosse ela? O que sentiria, desejaria, temeria e esperaria? Do que teria vergonha, esperando que ninguém mais soubesse?’ Meu trabalho consiste em me pôr no lugar de outras pessoas. Ou mesmo estar em suas peles. A força que me impele é a curiosidade. Eu fui uma criança curiosa. Quase toda criança é curiosa. Mas pouca gente continua a ser curiosa em sua idade adulta e em sua velhice”.
Quais são as dores e as delícias de estar na pele que habitamos? E quais seriam as dores de habitar outras peles?
A pergunta, que pode ser feita muitas vezes ao longo de um único dia, amplia a própria visão de mundo e enriquece a nossa capacidade de vivenciar coisas novas, já que não teremos a oportunidade de viver todas as experiências, mas ao emprestar a dor ou a alegria do outro, podemos covivenciar um acontecimento singular.

Vivências que impactam o outro, mas reverberam sobre a própria pele podem nos fazer mais humanos, contribuindo para uma reavaliação de postura. Em vez de adotar uma postura demasiadamente crítica, defensiva e condenatória, pode-se escolher uma postura mais humilde, humana e auxiliadora. Assim como as crianças, talvez devêssemos cultivar a curiosidade.